CARTEIRAS E FUNDOS DE DIVIDENDOS: CARACTERÍSTICAS, MITOS E VERDADES

CARTEIRAS E FUNDOS DE DIVIDENDOS: CARACTERÍSTICAS, MITOS E VERDADES


Caros amigos,

Nos últimos anos, houve um crescimento vertiginoso da oferta do produto carteira/fundo de dividendos.

O racional do vendedor seguia sempre o mesmo script: “Com a instabilidade dos mercados mundiais e o desempenho desfavorável das ações de maior peso no Ibovespa, a aplicação em fundo de dividendos representa um investimento em empresas abertas com forte geração de caixa (portanto, com menor volatilidade na cotação das ações) e ainda com o potencial bônus de pagamentos recorrentes e relevantes de dividendos. Enfim, uma trata-se de uma inquestionável relação risco-retorno.”

Já o comprador aceitava plenamente a tese de investimento que “apresentava características marcantes de renda fixa, com oupside de renda variável”.

O problema é que esqueceram de avisar sobre o lado ruim da história e muitos perderam dinheiro. Empresas e até setores podem mudar de perfil de forma muito rápida, seja por ações exógenas (intervenção governamental, por exemplo), como por motivos inerentes ao próprio segmento (mudanças tecnológicas) ou da própria empresa (substituição de management).

Como se não bastasse a enorme gama de nuances do setor corporativo, o mundo financeiro também prega suas peças. Em movimentos de manada de forte venda de ações, normalmente por razões macroeconômicas e/ou elevação de aversão, paradoxalmente as ações de empresas de melhor qualidade tendem a sofrer mais, até porque são as mais “investidas”. Em uma onda de resgates de fundos de ações, por exemplo, o gestor acaba sendo obrigado a vender de forma proporcional os ativos que mais possui em seu portfólio, com o objetivo de fazer caixa. Nesses casos se, por um lado, os gestores de “valor” costumam aproveitar essas boas oportunidades de compra, a tese original que fundamentava a história dos fundos de dividendos acaba abalada.

Essa experiência negativa dos últimos tempos, porém, não desqualifica os portfólios de dividendos como um bom investimento. A seguir, apresentamos o estudo da Canepa Asset Brasil sobre esse tipo de produto, discutindo verdades e mitos. A análise compreende o período entre 2007 e o primeiro semestre de 2013, tempos nada auspiciosos para o mercado de ações brasileiro. Estamos à disposição para discutirmos ideias.

Para conferir o estudo completo, clique aqui.

Abraços,

Alexandre Póvoa

alexandre.povoa@canepabrasil.com.br

(21) 3034 1902