A curva longa o CDS e o COPOM (Valor Econômico – 05/12/2017)

A curva longa o CDS e o COPOM (Valor Econômico – 05/12/2017)


Caros amigos,

 

A Canepa Asset, com muito orgulho, alcançou mais três importantes reconhecimentos durante o mês de novembro. As duas primeiras indicações vieram novamente do Banco Central do Brasil, através do Boletim FOCUS. A Canepa Asset, pela terceira vez consecutiva, figurou como o “Melhor Previsor do IPCA do mercado no curto prazo”, entre centenas de instituições financeiras e não financeiras do país.

 

Para completar o nosso orgulho, no último mês também fomos indicados, pelo BC, como “Melhor Previsor de IPCA no médio prazo” de toda a rica amostra que envia as suas projeções para a autoridade monetária.

 

Posicionar-se recorrentemente em primeiro lugar em estimativas do IPCA (índice que norteia o sistema de metas de inflação), em qualquer prazo, mostra que estamos no caminho certo para alcançarmos boa performance em nossos fundos multimercados macro.

 

O terceiro reconhecimento advém da renomada Revista Investidor Institucional, que apontou o nosso fundo CANEPA MACRO FIM como “Excelente” para o investimento dessa classe.

 

Enquanto isso, o COPOM  reúne-se mais uma vez para decidir sobre mais uma redução na taxa SELIC. Dessa vez, porém, os diretores do BC irão se deparar com um fato novo. Após 45 dias, apesar da continuidade da melhora nos Credit Default Swaps (CDS) brasileiros, os investidores assistiram à elevação das taxas de juros longas (“empinamento” da curva) internamente. Quais são as razões por trás desse movimento e da discrepância com o comportamento dos CDSs ? Quais as consequências desse novo cenário para futuras decisões do COPOM ?

 

Leia aqui o artigo completo

 

Um abraço,

 

Alexandre Póvoa